pastor perseguido

Marco Feliciano, Magno Malta, Silas Malafaia e outros cristãos pedem a liberdade de Yousef Nadarkhani

Esse monstro mantém um homem preso e quer condená-lo a morte só porque ele serve a Cristo.


O pastor Silas Malafaia organizou um protesto contra o presidente do Irã Mahmoud Ahmadinejad. O protesto foi comandado pelo pastor Alexandre Isquierdo, já que o pastor Silas Malafaia está em Santa Catarina pregando em Joinville. O objetivo é chamar a atenção da imprensa internacional e do próprio governante.
Durante o protesto os manifestantes levaram faixas com os dizeres “presidente Ahmadinejad, liberte o Pr. Yousef Nadarkhani. Liberdade religiosa no Irã já”. Em outro havia o pedido de liberdade do cristianismo no Irã: “Presidente Ahmadinejad, no Brasil o islamismo é livre. Faça com que o cristianismo também seja livre no Irã”

Silas não é o primeiro a pedir a liberdade do pastor iraniano preso em 2009 acusado de apostasia.
No mês passado (Maio) durante seu discurso no Plenário na última terça-feira (28) o senador Magno Malta (PR-ES) comunicou que apresentaria um requerimento pedindo que o embaixador do Irã no Brasil vá até Brasília falar sobre a situação do pastor Yousef Nadarkhani que foi condenado a forca pelo governo iraniano.

O requerimento seria apresentando na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) e, além disso, a Frente Parlamentar em Defesa da Família faria uma reunião especial na quarta-feira (29) às 17h para formular o pedido de audiência com o cônsul iraniano.

O deputado federal, pastor Marco Feliciano também encaminhou uma carta aberta manifestando seu pedido de clemência pela liberdade de Nadarkhani.
A carta será entregue se oportunidade surgir. O deputado federal, pastor Marco Feliciano, divulgou carta aberta que pretende entregar ao presidente iraniano Mahamoud Ahmadinejad, que desembarcou na última terça-feira (19) no Brasil para participar do Rio+20, de onde segue para a Venezuela, e já pediu audiência com a presidente Dilma Rousseff para tratar de uma agenda bilateral.

Na carta que será encaminhada pelo pastor se houver a reunião, já que a presidente Dilma Rousseff ainda não confirmou se aceitará receber o mandatário iraniano, Feliciano pede clemência ao pastor Yousef Nadarkhani, que se encontra preso e condenado a morte.
Leia a integra da carta:
"Senhor Presidente do Irã.
Venho à presença de Vossa Excelência, com o respaldo de toda a comunidade cristã do Brasil, para pedir clemência ao Pastor Youcef Nadarkhani, que se encontra preso e condenado a morte em seu País pelo crime de apostasia.
Neste momento, em que o mundo se volta para o Rio de Janeiro e ao ensejo de sua vinda ao nosso País, encaminho esta Carta Aberta, juntamente como o humilde pedido deste deputado federal que é também, pastor evangélico, para que o governo do Irã reveja o processo que condenou Nadarkhani, que poupe sua vida e o devolva para sua família onde sua esposa e filhos o esperam.
Respeitamos as Leis do seu País, mas, da mesma forma como Vossa Excelência vem ao Brasil para opinar sobre a Conferência Rio + 20, nos permitimos implorar pela vida deste homem, que é nosso irmão.
Já fiz contato com a Embaixada do Irã, em Brasília, e reafirmo ao Senhor que estou à disposição das autoridades iranianas para tratar deste assunto junto às autoridades brasileiras. Prometo que vou colaborar em tudo que estiver ao meu alcance, dentro das Leis do meu País.
Brasília-DF, 19 de junho de 2012. Assinado: Pastor Marco Feliciano – Deputado Federal/PSC-SP "


As manifestações foram realizadas em frente ao Hotel Royal Tulip, em São Conrado, na Zona Sul do Rio de Janeiro, onde o presidente iraniano ficou hospedado.
Através do Twitter Silas comentou a iniciativa: “Este é um meio legal e pacífico do exercício da nossa cidadania”.

Youcef Nadarkhani (nascido em 1977; primeiro nome também escrito Yousef , Youssef , ou Yousof ; sobrenome também escrito Nadar-Khani ou Nadar Khani ) é um iraniano cristão pastor que foi sentenciado à morte em Teerã.  Os relatórios iniciais , incluindo um recente (2010) do Supremo Tribunal iraniano, afirmou que a sentença baseou-se no crime de apostasia , renunciando a sua fé islâmica.
Autoridades do governo mais tarde afirmaram que a sentença foi baseada em suposições em vez de crimes violentos, especialmente estupro e extorsão, no entanto, nenhuma acusação formal ou provas de crimes violentos foram apresentados no tribunal.  De acordo com a Anistia Internacional e sua equipe legal, o governo iraniano ofereceu clemência se ele se retratar de seu cristianismo .  Seu advogado, Mohammad Ali Dadkhah afirmou que um tribunal de apelações confirmou a sentença depois de se recusar a renunciar sua fé cristã e reconversão ao Islã. 

Depois disso o advogado, foi condenado a nove anos de prisão por defender casos ligados aos direitos humanos que não estão sendo respeitados no Irã.
Ele pode ser preso a qualquer momento sob alegação de ir contra o regime do governo e deverá ficar dez anos sem advogar. “Eu estava em um tribunal em Teerã, defendendo um de meus clientes, Davoud Arianji, um ativista político que foi preso no corredor da morte, quando o juiz me informou sobre a minha sentença”, disse Dadkhah.
O advogado Mohammad Ali Dadkhah defende prisioneiros políticos e religiosos sem cobrar por seus serviços e por esse motivo o Irã o considera um inimigo do Estado alegando que ele tem “cumplicidade” com seus clientes. 
Na Páscoa ele representou legalmente 12 cristãos que foram julgados por sua fé, esse julgamento aconteceu no mesmo tribunal iraniano onde Yousef foi condenado a execução. 
De acordo com o ACLJ (Centro Americano para Leis e Justiça) o juiz que proferiu essa sentença foi Abolghasem Salavat, conhecido como “juiz da morte” por ser duro em suas decisões sempre relacionadas aos acusados de crimes políticos e religiosos. 
A organização também afirma que a sentença pode prejudicar ainda mais a situação do pastor que está preso desde 2009 por largar o islamismo e se tornar cristão. Com a prisão de Dadkhah, Nadarkhani fica sem representante legal já que não há nenhum outro advogado iraniano que aceite defendê-lo. 


Em Janeiro do ano passado, pouco depois de receber por escrito sua sentença, o pastor perseguido escreveu da prisão uma carta aos cristãos de todo o mundo.


Leia abaixo as palavras de perseverança do pastor e lembre-se de interceder por ele.
“Graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo”.
Portanto, tambem nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos foi proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus. (Hebreus 12:1-2).
Quando alguém compreende a revelação da verdade, essa pessoa estará disposto a compartilhá-la com outras pessoas e com as gerações futuras. Somos gratos às pessoas que, no passado, lutaram pela Verdade, que nos permitem ter acesso a esta gloriosa revelação de Jesus Cristo. Esses crentes entenderam a riqueza e a beleza da revelação, e estavam prontos para lutar a fim de passar adiante o fruto da revelação.
Como podemos dar frutos semelhantes para a vida eterna? Depende esolhas que fizermos. Primeiro temos que fechar os ouvidos para a voz das trevas, como está escrito no salmo primeiro: Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. (Salmo 1:1).
A segunda coisa é abrir os nossos ouvidos à voz do Espírito falando através da Palavra de Deus, como está escrito: Mas o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. (Salmo 1:2).
O fruto da A comunhão com o Senhor através da Sua Palavra Vivificante é o que garante a estabilidade nesta vida e impacta a vida de outros gerando frutos eternos, como dizem as Escrituras: E ele será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, que dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. (Salmo 01:03).
“Um passo de fé”
Muitas pessoas admiram Jesus como um modelo único a ser seguido por gerações, muitos gostariam de imitá-lo. Jesus não veio para ser apenas admirado, mas nos trouxe um modelo perfeito a ser seguido. Se queremos ser como Ele, precisamos dar um passo de fé, como Pedro. Quando Pedro viu o seu Senhor andando sobre o mar furioso, ele pediu para ir ao encontro de Jesus sobre as águas. Então Jesus disse: “Vem!”.
Todos quanto escolheram seguir o Senhor, de alguma forma ouviram antes uma ordem D’ele, dizendo: “Vem!” Uma ordem que implica um passo de fé. Como é evidente nas Escrituras, aquilo que somos capazes de ver não é fé. A fé é bíblicamente definida como: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.”
Temos que dar um passo de fé “apesar das dificuldades” “, a fim de experimentar o poder de Deus. Mas precisamos lembrar que tudo deve ser feito de acordo com a Palavra de Deus. Pedro não experimentou a possibilidade de andar sobre as águas porque ele simplesmente decidiu abandonar o barco, mas por causa da Palavra, da Ordem do Senhor. A Palavra de Deus nos diz que “deveremos passar por dificuldades” e desonra por causa do Seu Nome. A nossa fé não será genuina se ignorarmos estas palavras, se não manifestarmos a paciência do Senhor em nossos sofrimentos. Qualquer um que ignora-las será envergonhado naquele dia.
É bom lembrar que muitas vezes o passo de fé nos coloca diante de algumas dificuldades. Assim como a Palavra levou os filhos de Israel a sair do Egito e os colocou diante de um obstaculo chamado Mar Vermelho. Essas  dificuldade se colocam entre as promessas de Deus e cumprimento delas e servem para desafiar e fortalecer a nossa fé. Os crentes devem aceitar esses desafios como uma parte de sua caminhada espiritual. O Filho foi desafiado no Calvário, no caminho mais difícil, como está escrito nas Escrituras: “Durante os dias de vuda na terra, Jesus ofereceu orações e súplicas, em voz e com lágrimas, àquele que o podia salvar da morte, sendo ouvido por causa da sua reverente submissão; Embora sendo Filho, ele aprendeu a obedecer por meio daquilo que sofreu “. (Hebreus 5:7-8).
O clamor “Eli, Eli, lamá sabactâni?” É suficiente para expressar os sofrimentos de nosso Senhor no Calvário. Por trás desse pedido de socorro, podemos identificar a grande fé que o levou a aceitar a vontade do Pai. Sim, Ele sabia que Deus não permitiria que “seu Santo sofresse decomposição”, e que, em três dias, ele ressuscitaria  dentre os mortos. Além do poder da morte, o Senhor enxergou o poder da ressurreição vitoriosa.
Eu não preciso escrever mais nada sobre a base da fé. Lembremo-nos que indenpendente de momentos bons ou ruins, apenas três coisas permanecem: a Fé, a Esperança e o Amor. É importante para os cristãos se certificarem que tipo de fé, esperança e amor permanecerão. Somente o que recebemos de acordo com a Palavra permanecerá para sempre. Eu quero encoraja-lo a viver de forma digna do chamado da Santa Palavra. Permitam irmãos, vocês que são herdeiros da glória de Cristo, serem exemplos para outros, a fim de ser um testemunho do poder de Cristo para o mundo.
Peço-lhes que vivam segundo a Palavra de Deus, a fim de rejeitar as ações das trevas que geram dúvidas em seus corações. A verdadeira vitória que elimina as dúvidas, vem pelo ouvir a Palavra de Deus com fé.
Somente uma igreja baseada nos ensinamentos de nosso Senhor Jesus Cristo subexistirá, longe do auxilio e da proteção da Palavra de Deus o devorador o destrurá.
“Vamos dar um Testemunho Santo. ”
Seu irmão em Cristo,
Youcef Nadarkhani

Oremos pelo pastor e se tiver alguma palavra de incentivo contacte no twitter @YNadarkhani




Fonte: Missão Portas Abertas
          Notícias Gospel Brasil
          Semente Deus Glória
          G Super
          O Diário
          O Verbo

Postar um comentário