conterrâneos heróis

Apesar de tanta tristeza, a catástrofe ocorrida no último dia 12 em Nova Friburgo tem comprovado o espírito de solidariedade e amor ao próximo do povo brasileiro. Voluntários de todo o país estiveram na cidade para dar sua contribuição às vítimas da tragédia. Muitos ainda estão por aqui, realizando um exemplar trabalho de assistência aos desabrigados.
Entre as centenas de voluntários que estiveram na cidade, um dos destaques foi o grupo Arca da Alegria, que trouxe doações arrecadadas em parceria com os bombeiros civis ( Erondes Ramos, Charles Oliveira, Hudson Maia e Wilian Lino) de Santa Rita de Minas. Além de dois caminhões de alimentos, água, roupas e calçados, eles trouxeram um Fiat Doblo lotado de brinquedos para a garotada. 


A viatura com quatro bombeiros e componentes do grupo circense Arca da Alegria, também de Santa Rita, parceiro na missão humanitária, partiram na madrugada de sexta-feira, 21, com dois caminhões de donativos para as vítimas das cidades atingidas pelo forte temporal. Os donativos foram arrecadados durante dois dias em Santa Rita de Minas, com a participação de bombeiros mirins e em Santa Bárbara do Leste, pelo grupo Anjos do Bem. O material foi entregue na Base da Marinha, onde foram separados e entregues aos desabrigados.

No Rio, os bombeiros e demais voluntários se juntaram ao sexto grupamento de Bombeiro Militar. Em virtude do treinamento especializado dos bombeiros de Santa Rita, a participação deles teve papel de destaque junto aos bombeiros militares em operações de busca e defesa civil.

A atuação concentrou-se na cidade de Nova Friburgo, onde os prejuízos, segundo o bombeiro Erondes Ramos, “eram incalculáveis”. Ainda segundo ele, “por todo lado havia marcas da tragédia”. Ele e os demais companheiros ficaram impressionados com o tamanho do estrago causado pela força das águas.

“Pra gente foi uma experiência enorme porque nunca tínhamos visto uma coisa tão grande; pai contando a história de familiares mortos durante a tragédia e amontoado de entulho, onde antes era uma residência”, comentou Erondes. Ele conta que perguntou a uma mãe próxima do acampamento, de semblante triste, se precisava de algo e ela disse que estava à espera da morte, pois havia perdido a família inteira. Noutro momento, ouviu relatos de um morador salvo por se agarrar em um bambuzal, onde o nível das águas subiu oito metros e árvores inteiras foram levadas pela correnteza. Outro fato que chamou a atenção do bombeiro é a cobertura da mídia nacional, segundo ele, retratando apenas pontos menos atingidos pela força das águas. 



O grupo esteve na cidade de 21 a 24 de janeiro e percorreu vários abrigos para levar os donativos e um pouco de alegria para a criançada. Os pequenos puderam esquecer momentaneamente da tragédia com os brinquedos doados e as atividades lúdicas promovidas pelo grupo. “Foi maravilhoso e impagável ver nascer o brilho nos olhinhos das crianças pequenas e grandes, com a nossa chegada. A alegria se fazia onipresente nos corações e, por alguns instantes, não existiam problemas. Músicas alegres embalavam as brincadeiras, que contagiavam a todos. Sentíamos muito forte a presença de Deus conosco”, disseram os integrantes da Arca da Alegria.
Vale destacar que o grupo contou com a colaboração do escritor infanto-juvenil Álvaro Ottoni. “Ele nos acolheu em sua casa e é um artista fantástico, que nos guiou e foi nosso companheiro nos abrigos”, concluíram os voluntários, que ficaram bastante impressionados com o quadro de destruição que viram no município.



Os meus conterrâneos de Santa Rita de Minas-MG tiveram destaque na mídia de Nova Friburgo, recebendo elogios do jornal de maior circulação na cidade (o jornal "A Voz da Serra") além de destaque nas mídias de Caratinga, como o jornal "Diário de Caratinga" pela iniciativa solidária...


Quero registrar aqui meus agradecimentos como mineiro-friburguense.
Postar um comentário